Depois que Arthur nasceu, no primeiro banho que dei em casa, comecei a pensar num assunto que me gerou muitas dúvidas: fimose.  E como busquei entender melhor do que se trata esse problema, resolvi compartilhar com vocês, aqui, algumas informações.

Fimose: será que meu filho tem? Se você é mãe de menino, sabe que é normal que, ao nascer, uma pele fininha cubra a ponta do pênis. Em nomes corretos, essa pele se chama prepúcio e cobre a glande. Alguns meninos têm essa pele mais fechadinha, outros mais flexível, mas ela deve sempre permitir a passagem do xixi sem problemas e sem causar dor. E é isso que costuma ocorrer mesmo, sem que haja anormalidades.

Até por volta de um ano e meio é perfeitamente normal se o prepúcio cobrir a ponta do pênis. Mas se até os três anos a pele não tiver “descolado”, ou seja, não tiver ficado flexível a ponto de ser puxada para baixo sem dificuldade, pode ser um problema. Explicando de um jeito simples, é como se a ponta da pele que não desce tivesse um anel mais rígido e sem elasticidade, que impedisse os movimentos. Por ser complicado mover a pele, a higiene fica mais difícil, dando espaço para irritações e infecções. Em alguns casos mais graves e raros, quando a pele cobre muito a cabeça do pênis, pode ocorrer inchaço e dores, inclusive na hora de fazer xixi.

O que você deve fazer caso esteja preocupada se o prepúcio do seu bebê está se desenvolvendo normalmente é levá-lo para uma consulta com o pediatra. Não tente puxar a pele para baixo e nem passar pomadas ou medicamentos sem que isso seja prescrito pelo médico. Esses são, sim, procedimentos normais para o tratamento da fimose, mas se forem feitos do jeito errado podem piorar a situação.

E aí você se pergunta se não deve fazer a cirurgia logo que o bebê nasce e resolver toda essa expectativa logo. Bom, nem todos os médicos recomendam, mas você pode conversar com o seu. Já se for detectado o problema da fimose, a cirurgia também nem sempre é a primeira opção, mas caso seja a indicação, fique sossegada porque ela é simples e rápida. A internação não dura mais que um dia e a recuperação é em média de 10 dias. Se seu filho já for maior, cuide para que ele não faça muitos esforços no primeiro mês, como jogar futebol ou andar de bicicleta, atividades que podem machucar a região.

O bom de tudo isso é que, além de ter tratamento que não é muito complicado, também não é nada desesperador ou urgente se você descobrir que seu filho tem fimose. Tirando casos mais graves, que os médicos saberão identificar, o ideal é apenas tentar fazer a cirurgia antes da criança entrar na puberdade, por volta dos 10 anos.